m(EU) corpo || Colaboração


Para muitas pessoas Verão é sinónimo de paraíso. O paraíso onde o tempo é passado com os amigos, a viajar ou a experimentar coisas novas. De um modo geral, verão é, para muitos, tempo de viver a vida e criar memórias.
Mas para outros tantos, o verão não é visto com esses olhos. É visto com medo, vergonha. Algo a recusar e a evitar ao máximo. E tudo isto porque existe algo no meio que os impede. Porque existe algo que diferencia o "viver a vida" do "fugir a 7 pés".
Muitas das vezes os tais impedimentos são meramente psicológicos, coisas que ninguém repara mas que na nossa cabeça toda a gente vê, sejam pêlos, gordurinhas a mais, gordurinhas a menos ou simplesmente um corpo que não é tido como perfeito.
Mas o que é perfeito? Em que declaração mundial está discriminado o significado de corpo perfeito? Quem diz que o meu corpo, que o NOSSO corpo não é perfeito? Quem diz que eu com as minhas ancas pequenas, ombros largos devido à natação, aqueles pelinhos na barriga e todas as outras imperfeições que me fazem ser eu própria não posso ser perfeita?
E respondo eu: "a sociedade". Essa espécie de pessoa por vezes tão poucochinha que dita o que devemos ou não vestir. Essa coisa que cria mentalidades, regras, deveres, e que nos molda as mentes tão facilmente. Sociedade essa que apesar de imaterial tem também uma mentalidade, que por vezes somos nós que criamos. E apesar de ser difícil também pode ser moldada, basta querermos. Basta dirigir-nos a nós próprios e mentalizar-nos que não há nada de errado. Tudo o que temos, todas as nossas diferenças, são o que nos distingue mutuamente. Está na altura de dirigir-nos à nossa mente e explicar-lhe que todas essas mentalidades, regras e deveres que nos moldam são criados em vão, e que não proíbem rigorosamente nada nem ninguém de se encaixar na sociedade. Por isso, aceitemos as nossas diferenças e caminhemos com orgulho. Porque apesar de tudo, cada um é como cada qual, e são as diferenças que nos tornam especiais. Porque quando o primeiro passo é dado, facilmente temos outras mulheres ou homens a juntar-se a nós na caminhada que é termos orgulho de nós próprios. Porque pedir uma mudança não chega, temos de ser a mudança.
 Como muitas pessoas já tive, e ainda tenho, complexos comigo própria. Mas cheguei a um ponto que percebi que não poderia deixar de viver e de ter gosto naquilo que fazia por "meros" constrangimentos pessoais. Foi difícil, mas consegui finalmente perceber que o meu corpo é MEU e só MEU. Foi este corpo que me foi dado, tal e qual como ele é. Ele pode mudar? Sim, pode. Basta EU decidir que quero que ele mude. Todos nós temos esse poder de decidir o que fazer com o nosso corpo, mais ninguém.
Por ter tido vergonhas e medos e agora ser capaz de aceitar o meu corpo, decidi partilhar convosco 3 pensamentos que tive e que me fizeram mudar a forma como me via a mim própria:

1- "Apenas eu conheço o meu corpo verdadeiramente. A maioria das pessoas não vai reparar em certas coisas que apenas eu reparo e dou importância"

2- "Se todas as mulheres fossem bonitas e tivessem um bom corpo o mundo seria muito menos interessante e não se daria tanto valor a certas características"

3- "Em primeiro lugar estou eu, o resto do mundo fica em 2º"

Lembrem-se sempre que existe alguém na vossa vida que não liga às aparências e que gosta de vocês pelo que vocês são. Metade do mundo está tão concentrado em viver que nem reparam em certos aspectos que apenas nós notamos em nós. O bichinho que vive nas nossas cabeças tende a exagerar, não deixem que isso controle as vossas vidas.
Orgulhem-se de vocês próprias e assistam com orgulho a este espectáculo que é a vida!


Outros posts desta colaboração:

Ana Costahttp://tipicamente-adolescente.blogspot.pt/ 
Ana Filipa José:  http://www.hapessegosnalua.com/
Ana Margarida Silva: http://littlegirlsinbigproblems.blogspot.pt/ 
Ana Rita Madeira: http://www.theycallmerita.pt/?m=1 
Andreia Alex Pereira: http://thoughtsofaweirdgirlinacrazyworld.blogspot.pt/ 
Andreia Soares: http://andreiaseraos.wix.com/blog 
Angela Purice: https://ocantinhodaangi.blogspot.pt/ 
Angélica Freitas: http://www.charmingwiccan.com/ 
Bruna Silva: http://identicalopinion.blogspot.pt/ 
Didi Samchenko: http://avaidosadii.wixsite.com/avaidosadii
Filipa Freitas: http://blog-daretowear.blogspot.pt/ 
Isa Freitas: https://jovi-moda.blogspot.pt/ 
Jéssica Montagnhani: http://www.jessicamontagnhani.com/?m=1
Jessy Silva: https://amalteza.blogspot.pt/ 
Monalisa Alves: https://bau-da-mona.blogspot.pt/ 
Rute Marques: http://wherebelong.blogspot.pt/ 
Sofia Duarte: http://asofiaduar.blogspot.pt/ 
Vânia Andrade: http://photographybyvania.blogspot.pt/ 

3 comentários:

  1. Adorei, a frase do em primeiro estou eu , o resto do mundo está em segundo, ficou perfeita no contexto. Obrigada por teres participado, Beijinhos <3

    http://andreiaseraos.wixsite.com/blog

    ResponderEliminar
  2. Todos somos únicos e isso é que da piada, se fossemos todos iguais era sinal que tínhamos saído de uma fabrica mas mesmo assim iam haver defeitos de fabrico, por isso so prova que nada é perfeito◕‿↼
    Beinhos*
    JoviModa

    ResponderEliminar
  3. Nem tenho palavras. Adorei o texto, adorei a tua forma de pensar, adorei essas frases (tanto que ja estou ate a apontar) adorei tudo nesse post! Tens toda a razão! Muitas vezes os preconceitos ate somos nós que os criamos, somos nos que criamos padrões. Quantas vezes não falamos a nós mesmas 'ah, seria tao melhor se não tivesse isto..'. isso já e´o nosso pensamento moldado pelo padrão de 'bonito' na sociedade atual.

    Beijinhos! Amei!! Where I Belong

    ResponderEliminar

Qualquer opinião vinda dos meus seguidores é bem recebida e ajuda o blogue a crescer e a corresponder aos gostos de quem o visita.

Por isso, caso tenhas alguma dúvida nunca hesites em deixar um comentário ou enviar um email para: paulamoreirasantosblogue@hotmail.com.

Com tecnologia do Blogger.